Home » Noticias » Alta do preço da nafta pode parar produção da Braskem

Alta do preço da nafta pode parar produção da Braskem

O presidente da Braskem, Carlos Fadigas, admitiu esta semana ao jornal Valor Econômico que a empresa, maior fabricante de resinas termoplásticas das Américas, pode paralisar a produção em pelo menos uma central petroquímica caso o preço da nafta fornecida pela Petrobras seja reajustado de 5% para 7% a partir de setembro. A Braskem e a Petrobras ainda não chegaram a um acordo sobre os novos valores do contrato de fornecimento.

A nafta é a principal matéria prima da Braskem e se seu custo for aumento pode afetar não só a companhia, mas toda a cadeia petroquímica. “Seguimos trabalhando para chegar a um acordo e a preocupação tem a ver com a exiguidade do prazo”, comentou Fadigas sobre o possível fechamento de uma das unidades. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), “o ajuste a um eventual aumento do preço da nafta fornecida pela Petrobras – que equiparasse seu preço à paridade de importação – exigiria o fechamento de uma central petroquímica e a redução da produção ou mesmo o fechamento de uma segunda central”, conforme estudo da LCA Consultores feito a pedido da própria Associação.

O jornal Valor Econômico apurou que a primeira central a ser afetada deve ser a do ABC, que tem uma parada programada para setembro, e a medida pode ser replicada também em Camaçari .

Nos últimos anos, a Petrobras teria direcionado volumes crescentes de seu insumo para o chamado “pool” de gasolina, mistura de gasolina tipo A, etanol e nafta vendida nos postos de combustível, elevando assim o custo do material, segundo reportagem do Valor Econômico. Com essa estratégia, a estatal teria conseguido manter sob controle as importações de gasolina, ao mesmo tempo em que teve de ampliar o volume importado de nafta para atender a petroquímica. Agora, com a renovação do contrato, segundo o setor, a Petrobras quer repassar essa despesa com importação da matéria-prima, podendo gerar até de até 7% sobre os preços praticados no atual acordo.

Fonte: Valor Econômico, 19/08/14

Veja também

Aedes_aegypti_during_blood_meal

Incidência de casos de dengue é maior em ilhas de calor

Com base nos dados da Prefeitura de São Paulo colhidos entre 2010 e 2011, uma ...