Home » Noticias » Cidade de SP terá tendas para atendimento emergencial de casos de dengue

Cidade de SP terá tendas para atendimento emergencial de casos de dengue

O secretário adjunto de Saúde do município de São Paulo, Paulo Puccini, anunciou hoje (26) que a prefeitura vai instalar três tendas, cada uma com capacidade para atender até 100 pacientes por dia no tratamento auxiliar da dengue. As tendas serão instaladas na zona norte da capital – área com maior incidência de transmissão da doença –, em locais próximos a unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) ou a prontos-socorros.

As tendas serão administradas pela prefeitura, em parceria com cinco hospitais filantrópicos da cidade – o Sírio-Libanês, Hospital do Coração, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Hospital Albert Einstein e Hospital Samaritano – que participarão com profissionais de assistência médica. O atendimento nas tendas deve começar na semana que vem.

“As tendas funcionarão sempre anexas a algum equipamento de saúde: AMA ou pronto-socorro. Se houver suspeita de dengue, os exames serão feitos na tenda. Se houver um problema de desidratação, já começa a terapia. Independe se vou confirmar ou não o caso. É um procedimento clínico que será adotado, tendo dengue ou não”, destacou o secretário adjunto.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o uso de novas tendas será avaliado de acordo com as necessidades. Segundo a pasta, a utilização de instalações provisórias já estava prevista no plano de contingência do município, elaborado em 2014, e segue recomendação do Ministério da Saúde.

Dados apresentados hoje pela secretaria mostram que o município registrou, de 4 de janeiro a 14 de março, 4.436 casos confirmados autóctones (contraídos no município) de dengue, mais do que o triplo do total do mesmo período de 2014 (1.412 casos confirmados). Segundo a secretaria, 47,5% dos casos estão concentrados em bairros da zona norte da cidade.

Até agora foram confirmadas duas mortes decorrentes da dengue em 2015: uma mulher de 84 anos, moradora de Brasilândia, na zona norte, e um garoto de 11 anos que vivia no Jardim Ângela,na zona sul. Há dez óbitos sob avaliação no momento.

Durante todo o ano de 2014, a capital registrou 28.990 casos autóctones (97,7% no primeiro semestre), com 14 mortes. A estimativa da Secretaria Municipal de Saúde é que em 2015 o número possa ser até três vezes maior.

Fonte: Agência Brasil, 26/03/15

Veja também

file8441305396190

Falta de água afetará dois terços da população mundial em 2050

A escassez de água afetará dois terços da população mundial em 2050 devido ao uso ...